Amigos da estrada, amigos da vida

Todas as histórias apresentadas aqui são reais, foram gravadas ANTES da pandemia e de autoria dos próprios protagonistas.

“Eu o convidei para ficar em nossa casa, pois ele só carregaria na segunda-feira. O Eduardo passou o final de semana com a nossa família e foram dias muito especiais. Fomos a praia, fizemos churrasco e ele ainda desenhou o meu caminhão na parede da garagem, como eu queria há muito tempo. Além de um grande ser humano e um bom caminhoneiro, conheci um artista.”

O baiano Auri Melo, é alegre por natureza e tem a comunicação como um dom natural. Onde passa com o seu caminhão, procura conhecer novas pessoas, fazer amizades e ajudar quando é possível. Quando conheceu Eduardo, colega caminhoneiro de Santa Catarina que passava por sua cidade, a amizade surgiu facilmente.

O amor pela profissão é como óleo diesel no sangue.

Como você conheceu o Eduardo?

Era uma sexta-feira, eu estava na auto elétrica em Caraguatatuba e ele chegou. Estava tomando chimarrão e eu pedi para experimentar. Com muita gentileza ele se ofereceu para preparar um para mim. Ficamos conversando. Ele só ia carregar na segunda. Então, eu o convidei para ficar em minha casa. Ele aceitou, com receio de que poderia dar trabalho. Mas, a gente sabia que não seria trabalho nenhum.

Você sempre faz amigos em suas viagens?

Eu gosto de fazer amizades, é de mim. Algumas vezes, quando estou andando na pista e vejo andarilhos, o coração parece que fala para mim: “Auri, para! Dá um café para ele”. Eu convido para tomar um café, ás vezes eles ficam sem jeito. Mas, eu tenho o prazer de abrir a cozinha do caminhão e preparar aquele banquete.

Você costuma ter o caminhão preparado para essas situações?

No meu caminhão tem tudo, pia, banheiro, chuveiro, geladeira, tem até engenho de cana no motor, fritadeira sem gordura, liquidificador. Aí, eu vou e faço. Eu só não gravo porque acho que essas coisas não precisam ser compartilhadas.

Você acha que a profissão de caminhoneiro facilita novas amizades?

Você tem oportunidades de conhecer mais pessoas, mas isso tem que estar dentro de você. Ser comunicativo é uma coisa minha, eu nunca tive dificuldade em dar atenção, um sorriso ou uma conversa. Mas, o amor pela profissão vem de outra fonte, é óleo diesel no sangue, como dizem.

Você lembra quando foi que o interesse pela estrada começou?

Eu era bem jovem, via passando as carretas e sentia algo muito bom. Sentia algo diferente mesmo no coração. Uma vez, vi uma frase do lameiro de uma carreta que dizia: “Não desista dos seus sonhos”. Aquilo me marcou, ficou na minha cabeça e me inspirou.

Você tem alguma frase em seu caminhão?

Ainda não, estou pensando em algo especial para fazer. Mas será nesse sentido, de incentivo, de pensamento positivo.

Share on whatsapp
Compartilhe por WhatsApp
COMPARTILHE TAMBÉM POR
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp
Compartilhe por WhatsApp
COMPARTILHE TAMBÉM POR
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on linkedin
Share on email

VEJA TAMBÉM

Tem hora que é só lazer

Vagner Rodrigues diz “tem hora que dá medo, mas tem hora também que é só lazer” enquanto cruza um rio de balsa em Cuiabá

RECEBA NOVAS HISTÓRIAS​